Morgan Freeman retoma a filmar depois de acusações de assédio – na verdade – Estadão

O ator Morgan Freeman voltou para a filmagem do Veneno de Rose, seu próximo filme, depois de ser acusado por oito mulheres de assédio sexual e conduta imprópria.

“Mesmo quando eu sentir uma profunda sobre a forma como algumas pessoas na minha vida que eu não posso admitir que essas acusações são imprecisas. O que eu não admito que eu estava emocionais pensando na maneira em que eu datada e tentou data,” ele escreveu, descrevendo-se como um de fluência, quando ele veio para o seu comportamento com as mulheres.

“Mas ele foi mais fundo do que isso. Era exigente nas datas em seus assuntos pessoais … eu estava crítica e desprezo.”

Alegando que o incontável número de homens se aproximou dele, na esteira das acusações de que com suas próprias confissões de um comportamento inadequado, Ghomeshi disse que chegou a ver suas ações como “parte de uma sistemática de cultura insalubre a masculinidade”.

Ele reconheceu que o resultado do julgamento deixou muito felizes. “Havia um sentimento entre eles, e que, independentemente de qualquer isenção, certamente você tem um mundo de meu pau, talvez sexual valentão, e que você precisa experimentar para além da perda da minha carreira e reputação”, escreveu ele.

Não há quase 3, 500 ensaio palavra incluía também o reconhecimento de que a peça centra-se exclusivamente na experiência “pode ser considerado útil para apresentar as experiências das mulheres mais visível”.

+Oito mulheres acusam Morgan Freeman de assédio moral e de conduta inadequada

Freeman foi visto no set do filme em Savannah, no estado da Geórgia. O Veneno Rosa é dirigido por George Gallo, e conta com John Travolta, Peter Stormare e Famke Janssen no elenco.

+Morgan Freeman pede desculpas depois de acusações de assédio

As acusações contra o ator de 80 anos foram reveladas na semana passada pela estação de TV CNN. Um assistente de produção de Despedida em grande Estilo, lançado no ano passado, disse que o relatório que ele sofreu assédio durante os meses de gravação do longa, em 2015.

Em uma ocasião, de acordo com o assistente, Freeman estava “tentando levantar minha saia, perguntando se eu estava usando roupas íntimas.” Um funcionário da produção do Truque de Mestre (2012) também relataram situações em que o ator assediada, ela e os colegas de equipe com comentários sobre o seu corpo.

Alunos do 8º ano do EF apresentou uma peça de teatro para os pequenos

Para ampliar o debate em torno de questões importantes relacionadas à adolescência, os alunos do 8º ano do Ensino Fundamental da Unidade Higienópolis atividades desenvolvidas sobre o tema “Trabalho Infantil”, de uma forma dinâmica e usando a criatividade, durante as aulas do componente Jovens em Perspectiva, o que também inclui as áreas de espanhol, a Escrita e as Artes.

A atividade começou com a leitura do livro “El Lazarillo de Tormes”, que conta a história de uma criança que é forçada a trabalhar para ajudar a família. “Pedi aos alunos para transformar cada capítulo em uma apresentação de teatro, com um script. No decorrer das aulas, percebemos a importância do trabalho que está sendo apresentado, pois além de o assunto ser importante, os alunos tinham dedicado muito”, disseram os professores responsáveis pelas aulas, Maria Regina Soares, Alana Grimaldi e Andrea Diligência.

Qual versão você prefere? O País vai mal, o bem, ou muito pelo contrário? Como saber se uma raia de econômico foi bem-sucedida ou não? Ouvir a oposição? Dar crédito para o governo? Foi a maior privatização da história ou não se trata de privatizar, mas sim de parceria? Parceria é o consórcio? Não há como saber qual a tese mais plausível? Basta escolher a linha de consultor e bem-vindo ao web gerais de complexidade. Tudo pode ter duas ou mais respostas, abordagens, opondo-se consenso, as explicações contraditórias não atendida. Isso significa que estamos oficialmente lançado a partir de consistência. Ele pode ser uma mentira ou omissão. Mas pode ser apenas metade da verdade. A não-linearidade das respostas é apenas um desdobramento da multiplicidade de fatores simultâneos. Uma espécie de efeito colateral do caos multifatorial. Há uma recusa inconsciente de admitir que, apesar de todas as metodologias de quantificação disponíveis, a realidade se recusa a continuar cientificamente. A propaganda, como nunca antes na história do planeta, parece ter se tornado a essência de todas as coisas. Tudo depende de como é dito, o tempo na Tv, o montante alocado ao marketing e como a linguagem é articulada. Ao contrário do insinuações cada vez mais comum, nem sempre há golpismo, ou conspiração no divergências. Se existem, são patrocinados pelos promotores da lógica única e das dicotomias de baixo. Embora os executivos de o público não vê há um vasto mundo, muito além de partidos e ideologias.

Enquanto os números são debatidas e a agenda está sempre aberta amanhã, há uma conexão, perturbador, entre o cerceamento de liberdades individuais, o neo censura e o fim da vida privada. Com um fervor análogo ao pensamento totalitário e a multidão de pessoas afobadas odeiam a liberdade de expressão. E tem sido cada vez mais frequentes, que fazem as vezes de a tropa de choque do obscurantismo. Compreensível, portanto, que a primeira vítima da agência é a imprensa, cuja natureza é intrinsecamente um desafio, discordantes e crítica. Ela expressa, manifesta e se atreve a discutir a multiplicidade de versões que atribuem aos fatos. Apesar de o senso comum, contra fatos não são mais do que suficientes argumentos. Isso é difícil lidar com a abundância de variáveis explica a prosperidade de burcas secular e a brutalidade com a qual o Estado tem tratado os seus habitantes. Em toda a América latina, estamos testemunhando os direitos de cidadania está suspenso. Infelizmente, o assalto da gritando desalojado do diálogo. Não foi fácil identificar o vilão e o mocinho, pode nunca ter existido.

Já temos ouvido bastante sobre o Estado de todos, sabendo que a reforma da sociedade e o infractor. Faltou dizer a outra metade da história, o oposto a isso. O que considera que uma sociedade adulta admite a sonhar, mas não consegue dormir rodeado pelo faz de conta. Exige respeito e acredita que ela é a única que dá a vida e a finalidade para o Estado, e não vice-versa. A sociedade emancipada não tolera a viver com o que o presidente da SIP — sociedade interamericana de imprensa — nomeado como “ditadura democrática”. Em que outro período da história, teríamos um exotismo desses? A aversão ao Estado o salvador e onipotente, não tem nada a ver com ideologia. Nem porque nós preferimos outros governantes, ou a sensação de que você está em boa posição com a dívidas sociais. Fazemo-lo por pura teimosia. É seguir acreditando no sonho é o que dá sentido a todos os outros, a liberdade.

Os alunos fizeram apresentações de teatro, em espanhol, para os alunos da Educação Infantil, e, em seguida, explicou sobre o que se tratava que esquete.

Após esta primeira atividade, os alunos participaram no segundo exercício. Os professores têm espalhadas algumas das imagens, que retratou algum tipo de abuso infantil e pediu para os alunos, para obter as fotos sem escolha. Em seguida, os alunos se juntaram em grupos definidos por suas próprias imagens e discutido sobre cada tipo de abuso.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*